500 Desejos para Marielle: Anistia Internacional segue cobrando respostas sobre o crime que completa 500 dias

Imprimir
26 de julho de 2019 Defensores de direitos humanos Mulheres LGBTI
marielle franco

Neste sábado (27.07), quando se completam 500 dias desde o assassinato de Marielle Franco e data de seu aniversário de 40 anos, a Anistia Internacional vem a público exigir justiça para a defensora de direitos humanos, e que as perguntas que seguem sem esclarecimento sobre o caso de seu assassinato sejam respondidas, inclusive quem matou e quem mandou matar Marielle. Durante festival que acontece no Rio de Janeiro, a organização realizará a ação “500 desejos para Marielle”, em que pretende reunir, em vídeo, 500 mensagens dos participantes, conteúdo que será usado para seguir exigindo ao governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e ao Procurador Geral do Ministério Público do Rio de Janeiro Eduardo Gussem a continuidade de investigações imparciais, independentes e exaustivas para se chegar à verdade sobre quem matou e quem mandou matar Marielle Franco.

Torne-se um defensor da liberdade: apoie a Anistia Internacional

Atue agora: assine a petição perguntando que matou e quem mandou matar Marielle Franco!

Para a diretora-executiva da Anistia Internacional, Jurema Werneck, que estará presente durante a ação, esta data é um marco:

“Esta data é muito importante, pois evidencia duas coisas. A primeira é o quão jovem Marielle era quando foi brutalmente assassinada. A segunda é a insistência das autoridades em seguir sem nos dar respostas aos questionamentos que cercam sua morte. Já são 500 dias! No dia de hoje, nos somamos a essa ação para seguir exigindo uma investigação imparcial, independente e precisa para que saibamos quem matou e quem mandou matar Marielle, além, é claro, do porquê. Já se passaram 4 meses desde que os apontados como suspeito de serem os executores estão presos e nós, a família de Marielle, e toda a sociedade civil seguiremos cobrando as respostas que são devidas”, afirma Jurema Werneck.

Durante o mesmo festival em que a Anistia Internacional realizará sua ação, haverá, às 20h30, uma cerimônia de emplacamento de uma rua que passará a se chamar Marielle Franco. A cerimônia contará com a presença de Marinete da Silva, Antônio Francisco da Silva Neto, Luyara Franco, mãe, pai e filha de Marielle, respectivamente, e Mônica Benício, companheira da defensora de direitos humanos. A programação prevê ainda atividades culturais e atrações musicais, como Mulheres Rodadas e Samba Que Elas Querem, e atos para lembrar Marielle Franco.

No mesmo dia, às 14h, no Galpão Bela Maré, na Maré, haverá uma edição especial do “Papo Franco”, com mediação de Anielle Franco, irmã de Marielle.

26 de julho de 2019 Defensores de direitos humanos Mulheres LGBTI

Mais Notícias

10 de outubro de 2019 | Política internacional Defensores de direitos humanos

Nota pública: As autoridades no Equador devem acabar imediatamente com a repressão às manifestações

As autoridades equatorianas devem pôr um fim imediato à pesada repressão de manifestações.

12 de setembro de 2019 | Defensores de direitos humanos Mulheres LGBTI Indivíduos em risco Terra Indígenas e populações tradicionais

Projeto Banana-Terra lança manual para jovens que querem mudar o mundo

Material tem exercícios sobre criação e implementação de projetos, segurança, comunicação e monitoramento de impacto

12 de setembro de 2019 | Memória, Verdade e Justiça Defensores de direitos humanos Mulheres LGBTI

18 meses sem Marielle: Anistia e familiares renovam cobrança por resposta às autoridades

Ofícios foram enviados ao governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e ao procurador-geral de justiça do Estado, Dr. José Eduardo Gussen, após seis meses de reunião em que se comprometeram com caso
Carregar mais notícias