Ditadura militar tentou restabelecer a pena de morte no Brasil

Nesta quinta-feira (9), a Indonésia informou que a próxima execução de vários condenados à morte, incluindo a de um brasileiro, deverá ocorrer após o Congresso Ásia-África, previsto para o fim do mês. Em janeiro, a Indonésia executou seis traficantes, incluindo o brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, o que causou uma crise diplomática com o Brasil.

Desde então, o episódio tem sido bastante debatido pelos brasileiros, inclusive nas redes sociais. Mas, afinal, como e onde acontece ainda hoje a pena de morte? Ela tem se mostrado eficaz nos países que a utilizam?

Quem falou sobre esse assunto ao Tarde Nacional desta quinta-feira (9) foi o assessor de Direitos Humanos da Anistia Internacional, Maurício Santoro. Ele, inclusive, relatou a história da pena de morte no Brasil e lembrou da tentativa do governo militar de restabelecer a prática durante a ditadura.
Death_Penalty_Action

Na última semana, a Anistia divulgou um relatório que mostra a extensão do uso da pena de morte no mundo. De acordo com o documento, no ano de 2014, cerca de 10% dos países aplicaram a pena de morte. Foram, pelo menos, 607 pessoas executadas (não contabilizados dados da China) e cerca de 2.466 condenações.

Segundo Maurício Santoro, dados comparativos dos últimos vinte anos mostram uma queda no uso deste tipo de condenação no mundo. Durante a entrevista, ele traçou um paralelo entre as sociedades que fazem uso da pena de morte com seus valores e seu perfil político-ideológico; e explicou o que é punível e o que não é com esse tipo de pena, de acordo com o direito internacional.

Santoro citou exemplos de países Africanos, onde a homossexualidade é considerada crime punível com a pena de morte, e casos como da Arábia Saudita, que condena mulheres sob alegação de crime de feitiçaria ou adultério.

Em todos os países, segundo ele, inclusive nas democracias, como EUA, a aplicação da pena de morte é marcada por um fortíssimo sentimento de discriminação contra minorias raciais e religiosas.

Santoro falou ainda da história da pena de morte no Brasil, que é um líder mundial na abolição da prática. Disse que esse tipo de condenação existiu durante a monarquia, no século 19, e foi abolida na primeira Constituição da República, em 1891. No entanto, desde 1870, o país já não usava a pena de morte na prática, por decisão do Imperador, após um erro judicial que levou um fazendeiro a ser executado, por conta de acusações falsas de ter assassinado uma família de agricultores.

Segundo Santoro, a ditadura militar tentou restabelecer a pena de morte, chegando a colocá-la na Constituição, mas ela não foi aplicada. Atualmente, a abolição deste tipo de pena é cláusula pétrea da Constituição Federal, que não pode ser modificada, com algumas exceções em caso de guerra.

Quer saber mais? Ouça a entrevista na íntegra!

O programa Tarde Nacional vai ao ar de segunda a sexta-feira, às 16h, na Rádio Nacional da Amazônia. A apresentação é de Juliana Maya.

Clique aqui para ouvir a entrevista na íntegra.

 

7 de fevereiro de 2017

GloboNews – Programa Milênio entrevista o Secretário Geral da Anistia Internacional

O Secretário Geral da Anistia Internacional, Salil Shetty fala sobre a crise global de pessoas refugiadas e outros temas relevantes.

3 de fevereiro de 2017

GLOBO NEWS – Protesto contra Donald Trump

Globo News entrevista Charlotte Philips, da Anistia Internacional para falar sobre os protestos contra Donald Trump na Europa
Mais destaques da Anistia na Mídia
Atuação

Anistia Internacional está presente em mais de 150 países, com atuação focada na promoção e defesa dos direitos humanos.

Saiba mais