Proteja as pessoas refugiadas da América Central da violência extrema

Ação encerrada.

Agradecemos sua mobilização! A sua participação fez essa ação muito mais forte!

AÇÃO REFUGEES AMERICAS
4673
AÇÕES

Nos últimos anos o nível de violência urbana em Honduras, El Salvador e Guatemala tem sido tão alto que a população desses países está sendo forçada a deixar suas casas e pedir refúgio em países mais seguros. Enquanto a taxa de homicídios no Brasil em 2014 foi de 29 mortes por 100 mil pessoas, a de El Salvador foi mais que o dobro: 68 por 100 mil.  Esses países formam o chamado Triângulo Norte da América Central, uma das regiões fora de zonas de conflito mais violentas do mundo.

Para escapar de ameaças, perseguições, conflitos entre gangues e forças policiais, famílias inteiras vêm tentando migrar para os Estados Unidos e México.
….
O que acontece com essas pessoas em busca de refúgio?
….
Muitas delas são detidas em condições desumanas, não recebem assistência jurídica de seus governos, têm seu pedido de refúgio negado e são deportadas de volta para seus países de origem. Entre 2010 e 2015, o número de pessoas hondurenhas, guatemaltecas e salvadorenhas deportados do México aumentou em 179% e, com Trump no poder nos EUA, o número de detenções e deportações deve aumentar ainda mais durante os próximos anos.
Os governos de El Salvador, Honduras e Guatemala não estão garantindo apoio e proteção a essas milhares de pessoas.
 ….
Pressione agora os governantes destes países a se comprometam com a segurança de sua população!

ENTRE EM AÇÃO

Aos governos da Guatemala, de Honduras e de El Salvador: 

Chamamos as autoridades para

  • Proteger seu povo da violência;
  • Assumir a responsabilidade principal pela proteção dos deportados usando os recursos exigidos, dada a demanda causada pelo aumento no número de deportados;
  • Identificar as pessoas que correm risco de deportação para fornecer a elas a proteção específica para suas necessidades;
  • Garantir que os programas de proteção para os migrantes deportados levem em consideração os direitos e as questões específicas de grupos como mulheres, indígenas, LGBTI e crianças desacompanhadas;
  • Avaliar casos individuais para os procedimentos de readmissão de refúgio.

Assinaturas atuais

An?nimo An?nimo  S?o-Paulo, Brasil  06 de Maio de 2017, 17:30:16
Miguel Tomazetto  Paran, Brasil  04 de Maio de 2017, 20:11:01
B?rbara de Souza Garcia  Santa-Catarina, Brasil  04 de Maio de 2017, 14:30:17
Douglas Reis  Rio Grande do Sul, Brasil  02 de Maio de 2017, 21:25:21
Juliana Oliveira  Rio-de-Janeiro, Brasil  29 de Abril de 2017, 19:41:59
CARREGAR MAIS

Saiba mais

Defensores de direitos humanos em risco com escalada de assassinatos no campo

O Brasil está em guerra contra lideranças ligadas ao trabalho no campo. Este ano 54 pessoas já foram assassinadas e dados mostram que as ameaças se intensificaram

Ações relacionadas

2836
AÇÕES

Honduras: justiça para Berta Cáceres e Nelson García!

Em março, Berta Cáceres foi assassinada na porta de casa. Ela era uma líder indígena e ativista de direitos humanos. Em Honduras, outros defensores de direitos humanos ainda correm perigo.