Exija que o governo brasileiro proteja os direitos dos povos indígenas e a Amazônia

* Campos obrigatórios

Incêndio em terra indígena no estado do Mato Grosso
46778
AÇÕES

O governo do presidente Jair Bolsonaro tem incentivado o loteamento ilegal de terras indígenas na Amazônia, resultando em ameaças e intimidações feitas por invasores ilegais contra povos indígenas e levando a um número estimado de 75 mil incêndios na floresta este ano.

Em maio de 2019, a Anistia Internacional alertou que a situação dos povos indígenas e da floresta amazônica se tornaria insustentável na estação seca, a menos que o governo mudasse de postura. Agora, isso se tornou uma realidade trágica e a floresta está sendo devorada pelo fogo.

Esta é uma catástrofe ambiental e uma crise de direitos humanos. E nós precisamos agir agora! Proteger os direitos dos povos indígenas é vital para proteger a Amazônia!

Os incêndios precisam ser apagados. Mas o governo do presidente Bolsonaro cortou deliberadamente fundos e enfraqueceu instituições civis como a Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que ajudam a proteger e a monitorar a situação da Amazônia e dos povos indígenas que nela vivem.

Nós precisamos agir AGORA e exigir que o Presidente Bolsonaro fortaleça a proteção dos territórios indígenas e das reservas ambientais, restabelecendo o financiamento à FUNAI e ao IBAMA, realizando mais monitoramento e patrulhas para impedir invasões de terra e responsabilizando os autores dos incêndios ilegais, do desmatamento e dos loteamentos ilegais de terra.

Por favor, assine e compartilhe esta ação.

Assinaturas atuais

Alice Moraes  S?o Paulo, Brasil  19 de Outubro de 2019, 21:28:56
An?nimo An?nimo  Paran, Brasil  19 de Outubro de 2019, 18:13:59
An?nimo An?nimo  Minas Gerais, Brasil  19 de Outubro de 2019, 00:20:34
Douglas Nascimento  Rio de Janeiro, Brasil  18 de Outubro de 2019, 23:45:30
maria ester pereira fortes  Para?ba, Brasil  18 de Outubro de 2019, 22:16:44
CARREGAR MAIS