Ela não é uma criminosa. Exija que a Irlanda mude suas leis de aborto

Ação encerrada.

Agradecemos a todas as pessoas que participaram.

3651
AÇÕES

Ela está grávida. Os médicos dizem que o feto não sobreviverá. Mas a lei da Irlanda diz que ela tem que levar a gravidez até o fim.

Ela foi estuprada. Agora ela está grávida. E cada dia que passa grávida, ela lembra do horror que passou. Ainda assim, a lei da Irlanda diz que ela tem que continuar.

Ela precisa de um aborto, mas isso não é permitido na Irlanda. Em vez disso, ela é forçada a deixar o país – isso se ela puder viajar. Se ela ficar e tentar fazer um aborto na Irlanda, ela corre o risco de cumprir uma pena de 14 anos de prisão.

Ela não é uma criminosa. Ela tem o direito humano a um aborto.

No entanto, a Irlanda só permite que mulheres e meninas o acesso façam um aborto caso sua vida esteja em risco. Em todos os outros casos, o aborto é crime punível com até 14 anos de prisão.

Os profissionais de saúde são impedidos de dar informações completas sobre aborto, por medo de serem acusados de “promover” ou “defender” – um crime que acarreta uma multa de até 4.000 euros.

Assine nossa petição hoje. Peça ao Primeiro Ministro da Irlanda que altere sua lei sobre o aborto.

ENTRE EM AÇÃO

Envie a seguinte mensagem ao Primeiro Ministro da Irlanda, Taoiseach:

Caro Taoiseach,

A Irlanda tem uma das leis de aborto mais restritivas do mundo. Ela é sustentada por sua Constituição, que protege a vida pré-natal em pé de igualdade com a vida da mulher.

Ao negar a mulheres e meninas o acesso ao aborto em casos de estupro, incesto, risco para a saúde ou deficiência fetal grave e fatal, a Irlanda está violando seus direitos humanos.

Cerca de 4.000 mulheres e meninas são forçadas a deixar a Irlanda todos os anos para ter acesso a serviços de aborto em outros países. Algumas arriscam sua saúde por não poderem fazer um aborto na Irlanda, e todas se sentem envergonhadas e como se fossem criminosas quando o fazem.

Taoiseach, você pode agir e garantir que a Irlanda pare de tratar suas mulheres e meninas como criminosas.

Assim, peço que:

Revogue o artigo 40.3.3 (a Oitava Emenda) da Constituição da Irlanda, para promover uma estrutura estatal em relação ao aborto que seja compatível com os direitos humanos, na lei e na prática.

  • Descriminalize o aborto.
  • Revogue o Ato de Proteção à Vida Durante a Gravidez, de 2013, e substituí-lo por leis que garantam o acesso seguro e legal ao aborto, no mínimo, nos casos de estupro, incesto, risco para a saúde da mulher ou deficiência fetal grave e fatal.
  • Revogue o Ato de Regulação da Informação (Serviços de Interrupção da Gravidez Fora do País), de 1995, e quaisquer leis de censura a ele relacionadas.

Assinaturas atuais

Anônimo Anônimo  Santa-Catarina, Brasil  19 de Maio de 2016, 10:14:46
jordana carvalho  Rio Grande do Sul, Brasil  11 de Maio de 2016, 16:44:33
Luana Sales  Pernambuco, Brasil  06 de Maio de 2016, 17:07:42
Caroline Ribeiro  São-Paulo, Brasil  06 de Maio de 2016, 09:50:29
VALÉRIO GONÇALVES  Distrito-Federal, Brasil  28 de Abril de 2016, 16:48:17

Saiba mais

“As pessoas não são más, elas só estão perdidas – ainda há tempo”

No último fim de semana, Jovem Negro Vivo esteve no show do Criolo no Circo Voador, RJ, recolhendo assinaturas para a campanha. O relato é de Verônica, ativista da Anistia Internacional.

Ações relacionadas

3011
AÇÕES

Basta de violência contra a mulher pelas mãos do Estado!

Governos das Américas devem acabar com leis e práticas que geram violência contra mulheres e meninas.
63132
AÇÕES

Queremos ver os jovens vivos!

O Brasil é o país onde mais se mata no mundo. Mais da metade dos homicídios tem como alvo jovens entre 15 e 29 anos, destes, 77% são negros.