Vamos destruir tudo: a responsabilidade das forças armadas em crimes contra a humanidade em Myanmar

© Adam Dean/Panos

No relatório “We Will Destroy Everything”: Military Responsibility for Crimes against Humanity in Rakhine State, Myanmar (em português: Vamos destruir tudo: a responsabilidade das forças armadas em crimes contra a humanidade no estado de Rakhine, Myanmar), a Anistia Internacional pede que a situação em Myanmar seja referenciada ao Tribunal Penal Internacional (TPI) para investigação e julgamento.

A organização recolheu provas numerosas e credíveis que implicam o comandante-chefe das forças armadas de Myanmar, General Min Aung Hlaing, e outras 12 pessoas cujos nomes são citados, em crimes contra a humanidade cometidos contra a população rohingya no Norte do estado de Rakhine.

MAIS RELATÓRIOS

Salvar vidas não é crime: Assédio politicamente motivado contra defensores de direitos humanos de pessoas migrantes

O governo dos EUA executou uma campanha de ameaças, assédio e investigações criminais ilícitas e politicamente motivadas contra defensores de direitos de pessoas migrantes na fronteira EUA-México.

Fome de Justiça: crimes contra a humanidade na Venezuela

Execuções extrajudiciais, detenções arbitrárias, mortes e ferimentos causados pelo uso excessivo da força fazem parte da lista de abusos do governo de Nicolás Maduro.

Relatório Anual da Pena de Morte 2018

Relatório da Anistia Internacional sobre a pena de morte em 2018 confirma que sua imposição e aplicação se limitam a uma minoria de países.
Mais publicações
Informes Anuais

A cada ano, um resumo do estado dos direitos humanos em centenas de países.

Saiba mais
Frentes de atuação

Descubra nossas formas de atuação e junte-se a nós na defesa dos direitos humanos!

Saiba mais