Atirar para matar: a estratégia da Nicarágua para reprimir protestos

Região: Américas
Protestos na Nicarágua. Foto: Inti Ocon/AFP/Getty Images

O relatório da Anistia Internacional, intitulado “Shoot to kill: Nicaragua’s strategy to suppress protest” (Atirar para matar: a estratégia da Nicarágua para reprimir protestos), documenta o uso de armamento letal pela polícia, o elevado número de pessoas atingidas por armas de fogo, a trajetória dos tiros disparados, a concentração de ferimentos por balas na cabeça, pescoço e tronco, tentativas de obstrução à justiça e de forjar a natureza das mortes. Estes padrões levam a Anistia Internacional a concluir que existem provas de que a polícia da Nicarágua e grupos armados pró-governamentais cometeram múltiplas execuções extrajudiciais.

MAIS RELATÓRIOS

Informe 2018: Balanço Geral

Publicação com as principais atividades realizadas pela Anistia Internacional Brasil no ano de 2018

Salvar vidas não é crime: Assédio politicamente motivado contra defensores de direitos humanos de pessoas migrantes

O governo dos EUA executou uma campanha de ameaças, assédio e investigações criminais ilícitas e politicamente motivadas contra defensores de direitos de pessoas migrantes na fronteira EUA-México.

Fome de Justiça: crimes contra a humanidade na Venezuela

Execuções extrajudiciais, detenções arbitrárias, mortes e ferimentos causados pelo uso excessivo da força fazem parte da lista de abusos do governo de Nicolás Maduro.
Mais publicações
Entre em ação

Atue agora e defenda os Direitos Humanos no Brasil e no mundo.

Atue Agora