Direitos humanos após o golpe de estado em Burkina Faso

Kiné Fatim Diop
Pesquisador da Anistia Internacional para o Oeste da África

VER TODOS OS POSTS    

“Nada será como antes.” Essas foram as palavras que ouvi repetidamente em Burkina Faso nos meses seguintes à renúncia forçada do presidente Blaise Compaoré no ano passado.

Elas vinham das bocas de todos os tipos de pessoas: de áreas urbanas e rurais; jovens e velhos; ricos e pobres. Essas palavras eram mais que um slogan. Eram uma crença que refletia uma nova onda de otimismo em um país cuja população ajudou a pôr um fim na regência de 27 anos do presidente Compaoré em um protesto nacional arrebatador que durou uma semana.

Os protestos, que tinham começado em outubro de 2014 e culminaram com a renúncia do presidente Compaoré, foram vistos como um novo capítulo para um país cuja história tem sido atropelada por golpes de Estado recorrentes e impunidade para sérias violações  dos direitos humanos. Com os direitos das mulheres recém-inseridos na pauta e o fato de o parlamento estar prestes a votar a abolição da pena de morte, Burkina Faso parecia pronta para fazer progressos significativos com relação aos direitos humanos. Parecia até que o histórico de impunidade no país seria desafiado, visto que o governo prometeu investigar a matança de civis pelos militares um ano atrás.

Aí veio o golpe da semana retrasada.

No dia 16 de setembro, membros do regimento de segurança presidencial (RSP) de Burkina Faso invadiram uma reunião do governo, detiveram o presidente interino e o primeiro ministro e declararam que estavam assumindo o controle do país. O governo foi dissolvido, multidões foram às ruas, pelo menos dez pessoas foram mortas e mais de cem ficaram feridas depois dos confrontos entre o RSP e os manifestantes.

O golpe foi amplamente condenado, com a União Africana suspendendo a participação de Burkina Faso. Apesar dos esforços iniciais de mediação pelo bloco regional da África Ocidental, a Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Ecowas) ofereceu, preocupada, uma possível anistia para o general Diendéré e o RPS por crimes cometidos durante o golpe de Estado. Isso foi claramente rejeitado pelos grupos da sociedade civil. A ideia de oferecer imunidade àqueles que cometeram sérias violações aos direitos humanos não teria sido um bom precedente para a Ecowas, que deveria forçar que todos os responsáveis por violações dos direitos humanos fossem investigados e julgados por meio de julgamentos justos, sem a opção de pena de morte.

Então, na semana passada, enquanto o exército marchava em Ouagadougou e mediadores da Ecowas se reuniam em Abuja, o general Diendéré se desculpou por ter liderado o golpe de Estado e prometeu restabelecer o governo civil. Aí, na quarta-feira 23 de setembro, o líder interino Michel Kafando retornou ao palácio presidencial e um pouco de normalidade foi restaurada em um país que já vivenciou uma cota mais do que justa de perturbação.

O presidente Compaoré era duro com relação às discordâncias e, por anos, presidiu comandando prisões e detenções arbitrárias de manifestantes. Investigações de tortura e dos assassinatos extrajudiciais do ex-presidente Thomas Sankara e do jornalista Norbert Zongo nunca foram levadas a cabo. No fim das contas, foi a tentativa do presidente Compaoré de alterar a Constituição para estende os limites do mandato e prolongar ainda mais o seu governo que levou à sua derrota em 2014. Durante a insurreição, que finalmente derrubou Compaoré, pelo menos dez manifestantes foram mortos e centenas foram feridos pelos militares e pela guarda presidencial. Pode ser que o relatório da Comissão Nacional de Reconciliação e Reforma sobre esses tiroteios e sua recomendação para que o RSP fosse dissolvido tenham sido os gatilhos principais para o golpe da semana retrasada.

Durante a semana do golpe, soldados silenciaram boa parte das estações de rádio privadas e tomaram o controle das emissoras estatais. Forças de segurança usaram força excessiva contra protestos pacíficos, com hospitais em Ouagadougou reportando a ocorrência de civis com ferimentos de bala.

Eu estive pela última vez em Burkina Faso em julho, juntamente com a Associação para o Avanço das Mulheres e das Crianças para lançar uma campanha para pedir que os candidatos eleitorais assinassem o Manifesto pelos Direitos Humanos. Houve uma animação genuína em torno desse novo manifesto de coautoria de 30 organizações nacionais e internacionais e organizações civis locais e elaborado para defender os direitos sexuais e reprodutivos de mulheres e meninas. Uma frase que eu ouvi várias vezes nas casas e nos escritórios – “Vamos continuar em frente” – demonstrava a sede das pessoas comuns para superar as barreiras por mais respeito aos direitos humanos.

A resposta ao manifesto entre os líderes do país foi fantástica. Quatro candidatos à presidência assinaram um termo de comprometimento para priorizar ações acerca dos direitos das mulheres e meninas se eleitos e o presidente do Conselho Nacional de Transição, o Ministro da Justiça e dos Direitos Humanos e o rei de tradição, Moro Naba, também assinaram o manifesto. Outros candidatos que o receberam prometeram assiná-lo. Em um país com o sétimo índice mais alto de casamentos infantis do mundo, onde apenas 17% das mulheres usa métodos contraceptivos e mais de 2 mil morrem ao dar à luz todo ano, essas são promessas muito bem-vindas.

Apesar de as eleições, originalmente marcadas para 11 de outubro, talvez terem sido adiadas, o desejo por liberdades maiores provavelmente não será abafado. Os eventos extraordinários daquela semana irão, no máximo, servir para re-enfatizar o valor e a importância dos direitos essenciais das pessoas. Não só isso: eles reacenderam a esperança de que Burkina Faso – uma nação cujo nome se traduz como “terra de pessoas honestas” – ganhará os líderes íntegros que eles tanto merecem.

Kiné Fatim Diop
Pesquisador da Anistia Internacional para o Oeste da África

VER TODOS OS POSTS    
Imprimir

Mais Posts

13 de outubro de 2017 Stefan Simanowitz

Eu sinto falta de música, dos meus amigos, meu trabalho e, claro, meus gatos

O cineasta Jean Cocteau disse uma vez que amava gatos porque amava sua casa e "pouco a pouco, gatos tornam-se sua alma visível". Ídil Eser entende bem esse sentimento. Conheça os gatos de Idil

6 de outubro de 2017 Renata de Souza http://novasmidias

Governos criminalizam pessoas em situação de rua para desviar atenção de seus próprios erros

Pessoas em situação de rua em todo o mundo têm uma coisa em comum: seus direitos humanos estão sendo violados

13 de setembro de 2017 Salil Shetty

Ídil, diretora da Anistia Internacional Turquia: “Meu tempo na prisão me deixou ainda mais comprometida”

Salil Shetty encontra diretora da Anistia Internacional Turquia durante detenção na unidade penal de Silivri.
Ver todos os posts
Resultados

Conheça alguns dos casos de sucesso que foram trabalhados pela Anistia Internacional.

Saiba mais