As conseqüências da legislação sobre o aborto na Irlanda: “Eu parei de me sentir como um ser humano ”

Anistia Internacional

VER TODOS OS POSTS    

Celebridades irlandesas como Cillian Murphy y Anne Enright solicitaram à Irlanda que revogue a 8ª Emenda da Constituição colocando o direito à vida do feto em paridade com o direito à vida das mulheres. Tais solicitações se baseiam nas consequências devastadoras que a lei impõe a mulheres irlandesas como Rebeca H, que teve negado o tratamento que precisava, mesmo sofrendo de enjoos debilitantes ao longo da sua gravidez. Esta é sua história.

Sempre o bebê era a prioridade, nunca se pensava no melhor para ambos por igual. Sua segurança e bem-estar possuíam a máxima importância para mim, porém eu precisava antecipar o parto.

Caso a hiperemese gravídica [enjoo na gravidez] não cessasse com o parto, eu estava disposta a me jogar nos trilhos do trem. Queria que o bebê estivesse bem, mas não conseguia suportar mais um dia disso. Senti-me como uma incubadora. Deixei de me sentir um ser humano.

O enjoo me deixava imensamente debilitada e até o ato de dar alguns passos me fazia vomitar. Quanto mais avançava a gestação, mais abatida eu ficava. Comecei a perder as esperanças.

 Internada no hospital

Acreditava de fato que eu ia morrer e chegava a desejar isso. Não podia viver sequer um dia mais nesse inferno. Ao completar as 36 semanas permanecia a maior parte do tempo deitada, no hospital, com os punhos cerrados e os olhos fechados implorando que o mundo parasse de girar. O enjoo era paralisante e parecia pior que o ato de vomitar constantemente. A maior parte dos dias eu a duras penas conseguia andar até o final do corredor.

Mentiram sobre a data do parto. Primeiro disseram que seria na próxima terça e depois que seria na quinta, após isso vieram comentários como: “Se você diz que ama seu bebê não pode adiantar o parto […] Coloca assim a vida do bebê em risco…”. Disseram que induziriam o parto na semana 35, depois na   36 e depois na 37, 38… Sempre seria na próxima semana.

Finalmente lhes disse: “Me deixem ir para casa, se não podem me ajudar eu encontrarei algum outro modo”. E então falaram: “Você não pode ir a parte alguma”. “Nosso trabalho é cuidar do bebê, o bebê é prioridade”. Falei que a segurança dele era minha preocupação máxima, mas que ao mesmo tempo era uma tortura. Uma tortura completa.

Obrigada a suportar 36 horas de parto.

Começaram a me pressionar para me submetesse a um parto natural. Estava tão debilitada e abatida que lhes pedi por uma cesariana e disseram: “De modo algum, a vida do bebê estaria em risco”.

Não me sentia física ou mentalmente capaz de encarar um parto normal. Supliquei-lhes por uma cesárea programada, porém não deram ouvidos. Induziram [o parto] e me coagiram a submeter-me a mil procedimentos ao longo de 36 horas.

Supliquei-lhes o tempo todo, dizendo que eu sabia sobre a disposição do meu corpo e que isso tudo não estava dando certo. Ninguém me ouviu, ninguém se importou. Disseram que seria mais seguro assim, a essas alturas eu estava internada no hospital há semanas e minhas forças aquém da minha capacidade.

Meu filho começou a apresentar dificuldades durante a indução (o que é comum em induções antes do tempo, algo que eu tinha conhecimento e no qual se baseava minha decisão de solicitar [a cesariana]) e foi feita uma cesariana de emergência. A primeira vez que o vi foi quando me levaram em cadeira de rodas à unidade neonatal e me mostraram sua incubadora. Nunca teremos de volta nosso precioso primeiro dia.

Atualmente se faz uso errôneo da Oitava Emenda [da Constituição irlandês]. É usada para tratar as mulheres como objetos e não como seres humanos. Se tivesse outro filho na Irlanda temeria pela minha vida.

Através do Meu Corpo, Meus Direitos, campanha global da Anistia pelos direitos sexuais e reprodutivos, solicitamos à Irlanda que modifique sua legislação sobre o aborto 

Entre em ação

Chile, mude suas leis de aborto

Saiba mais

Irlanda: dois terços da população é a favor da despenalização do aborto

Irlanda: Lei de aborto trata mulheres como recipientes

Leis severas de aborto matam mulheres e meninas

Anistia Internacional

VER TODOS OS POSTS    
Imprimir

Mais Posts

7 de julho de 2020 Anistia Internacional Tags:

Inscreva-se e participe das palestras online “Nossas Vidas Importam”

Toda semana uma live nova com especialistas e representantes de diversas organizações, para falar sobre os impactos da COVID-19 sobre suas vidas e realidades.

2 de julho de 2020 Anistia Internacional Tags:

Caso Miguel e pandemia expõem violações de direitos das domésticas

O mês de junho trouxe à luz os desafios que temos, como país, para romper definitivamente com a herança escravocrata ainda tão ligada ao trabalho doméstico.

24 de junho de 2020 Anistia Internacional Tags: ,

Vale a pena comemorar seis meses de vitórias dos direitos humanos!

Vamos celebrar os sucessos dos direitos humanos, contra todas as probabilidades, conquistados
Ver todos os posts
Resultados

Conheça alguns dos casos de sucesso que foram trabalhados pela Anistia Internacional.

Saiba mais