Arte como ferramenta de luta e resistência

Anistia Internacional

VER TODOS OS POSTS    

Tags: ,

Por Laura Escheberger, ativista do grupo Porto Alegre

No dia 14 de junho, quando completavam-se quatro meses sem respostas sobre do assassinato de Marielle, o grupo de ativismo de Porto Alegre organizou uma oficina de Grafitti no Barracão, coração de Villa Cruzeiro, em homenagem à defensora. O evento aconteceu no Grupo Arte e Expressão do Negro (GADEN), onde são realizadas oficinas com crianças da Cruzeiro todo sábado à tarde.

.

Apesar do baixo investimento público e da escassez de materiais ou profissionais dispostos a realizar oficinas voluntariamente, um trabalho lindo tem acontecido por lá. Experimentar esse momento de arte e expressão da cultura negra com crianças é um ato de resistência.

.

Felipe Reis foi o artista que desenvolveu a oficina e se disponibilizou com muita alegria para participar desse momento. Inicialmente, fizemos uma roda de conversa para apresentar o trabalho da Anistia Internacional, do GADEN e para conhecer as crianças e o artista.

.

Aos 18 anos, Reis foi para o Rio de Janeiro e começou a dar aulas de grafitti na Rocinha. Algum tempo depois, foi trabalhar e morar no Complexo da Maré, onde conheceu Marielle Franco. Felipe contou um pouco sobre Marielle e reforçou o fato de ela estar sempre preocupada e atuando em defesa dos direitos humanos. Ele relembra também que Marielle não precisou tornar-se vereadora para começar a atuar, pois já lutava em favor dos direitos da juventude negra, da comunidade LGBTI e contra a violência policial que sofre a população da favela desde muito antes de ser eleita. Ao falar da amiga, Reis não conseguiu conter as lágrimas, emocionando todos nós.

.

Entre as crianças, havia um garoto muito falador que pediu para Felipe não chorar, senão ele choraria também… Essas crianças, muitas vezes são expostas a um tipo de violência que sequer compreendem – e era contra isso que Marielle tanto lutava: para que crianças como essas da Villa Cruzeiro tivessem a chance de crescer sem serem vítimas da violência policial, para que tivessem acesso aos direitos básicos.

.

No início da oficina, Felipe demonstrou muita didática e uma sensibilidade incrível. Ensinou às crianças, com extrema paciência e descontração, como utilizar os sprays, fez a base da escrita e deixou a meninada brincar. As crianças logo se animaram e começaram a pintar o muro do GADEN e algumas outras, que passavam por lá no momento, resolveram se juntar.

.

Até mesmo nós, ativistas da Anistia Internacional ficamos animados em tentar. Foi uma manhã extremamente especial, que nos relembrou o porquê dessas causas valerem tanto a pena, pois ainda há muita gente boa no mundo. Reis, além de um incrível artista, se mostrou uma pessoa sensível e um ótimo professor. Disponibilizou-se a fazer a oficina no dia de seu aniversário, de forma voluntária e ainda ressaltou, no início, que a ação era de certa forma um presente para ele. Eu como ativista fiquei muito emocionada com a atividade que, além de ter sido o meu primeiro contato com o graffiti, aprendi muito com Reis e com o pessoal do GADEN.

.

Acredito muito na arte como uma maneira de resistir e lutar por uma causa. O resultado foi lindo e foi incrível ver as crianças se soltando e se divertindo com a oficina daquela forma. O dia já era por si só muito simbólico e emocionante, mas aquela oficina proporcionou uma sensação maravilhosa de dever cumprido. Espero que o impacto tenha sido positivo para todos envolvidos e que esta seja a primeira de muitas parcerias com o GADEN e o Felipe!

.

Veja as fotos!

.

Saiba mais

Atue já! Assine a AÇÃO URGENTE: Exija uma resposta: quem matou Marielle?

Anistia Internacional

VER TODOS OS POSTS    
Imprimir

Mais Posts

7 de junho de 2019 Anistia Internacional Tags: , , ,

Dei água aos migrantes que estavam cruzando o deserto do Arizona e fui acusado de crime

Conforme o governo reprime a ajuda humanitária, o meu caso pode abrir um perigoso precedente

3 de junho de 2019 Gabriela Moscardini Tags: , , ,

Use sua força e derrube esse muro de violações de direitos

Para além da barreira física, o muro é também a representação simbólica da separação, do obstáculo, do “você não é bem-vindo aqui”.

21 de maio de 2019 Anistia Internacional Tags: , , ,

Oito temas de direitos humanos para ficar de olho em 2019

Estamos bastante preocupados com alguns assuntos relacionados a direitos humanos no Brasil. Saiba quais são eles.
Ver todos os posts
Resultados

Conheça alguns dos casos de sucesso que foram trabalhados pela Anistia Internacional.

Saiba mais